sábado, 26 de janeiro de 2013

Enfim, a verdade saiu


Jack Endino, produtor musical e conhecido mundialmente com a produção do primeiro álbum do Nirvana ( Bleach ) fez uma declaração nada infeliz que causou muita polêmica com os roqueiros do Brasil. " Bandas brasileiras.  Porque vocês estão cantando em inglês ? Eu nunca consigo entender uma palavra ! ".

E completou : 

" Qual o sentido disso? Nunca vai dar o sucesso a vocês fora, e não vejo como isso pode ser um sucesso DENTRO do Brasil. Sim, eu conheço que Sepultura fez isso, mas o inglês deles era excelente, as letras deles eram boas e eles faziam parte de uma gravadora internacional de Metal. Quem mais conseguiu isso? Eu estou perplexo e intrigado com isso "


Parabéns Endino, finalmente alguém falou a verdade. Primeiramente, permitam - me ir mais longe. A questão que quero tomar não é o inglês em si, mas sim, o valor que devemos dar ao nosso pais. Bandas brasileiras na minha opinião, devem tocar em português. Ta certo que idolatramos bandas internacionais, mas seguir carreira em inglês, é um verdadeiro tiro no pé. O nosso antigo e bom Rock Nacional merece uma continuação de seu legado.

Não estou dizendo que não é certo tocar em inglês, pelo contrário, é super legal ( quem não toca ? ) mas acho que o Brasil não precisa e não merece ir la no Google Tradutor e traduzir a letra, tendo a  chances de não ser boa.


Que fique a lição.



-------------------------------------------

Participem da promoção " Eu sou Ozzy " valendo a autobiografia do músico e uma camiseta cedido pela loja Alquimia Rock Shop.



quarta-feira, 23 de janeiro de 2013

Meu primeiro contato com o Rock ( Valentin Trevizani )

Hoje, continuamos com " Meu primeiro contato com o Rock ". Dessa vez, Valentin Trevizani de 19 anos, dono do blog Partitura em Pauta e colaborador da Comissão do Rock, ira descrever a vocês como conheceu o mundo do Rock.

" Dando continuidade ao quadro "Meu primeiro contato com o Rock", minha história começou com o lado B. Digo lado B não como efeito de vergonha, mas sim de começar a ouvir rock não pelas bandas antigas e clássicas, que faziam muito sucesso na época. Entretanto, antes de mergulhar nas águas com fumaça, de voltar ao negro, e de subir em um atalho para o paraíso, gostava muito de Pop e músicas que eram a sensação do momento. Ah, antes das pedras, permitam-me citar algumas das bandas/artistas considerados como sensação: Black Eyed Peas, Keane, T.a.t.u., Maroon 5, etc. Não quero continuar com as citações, confesso ficar um pouco constrangido. Comecei aos 13 ou aos 14 anos a ouvir Pop, mas isso não vem ao caso, porque estou aqui para escrever sobre coisa boa, sobre Rock.

Quando decidi ouvir rock, depois de ter visto um amigo meu comentando sobre, decidi começar do radical. "Se tiver que ser, que seja bem feito". Pensamentos de um adolescente rebelde sem causa. Procurei por Slipknot. Ah, se procurei. Baixei tudo. Qualquer arquivo que tivesse o nome "Slipknot", já estava baixado. E como não deverá ser surpresa para ninguém, minha primeira música foi "Before I Forget". Viciei no clip. E aquelas máscaras me subiram a cabeça. Procurei fotos para colocar no desktop, batia cabeça enquanto tomava banho, usava preto o tempo inteiro, e era aquilo. Eu era um poser, isso sim. Tenho uma certa vergonha de quando comecei a ouvir Rock. Vale ressaltar que, não tenho vergonha das bandas que comecei a ouvir, mas sim das minhas atitudes. Cheguei a ouvir Arch Enemy, Epica, algumas músicas do Angra ("Carry On" e "Rebirth") e não conhecia Iron Maiden, Led Zeppelin, Black Sabbath, e os outros reis.


Primeiramente, queria agradecer ao meu pai por gostar de rock e ter o DVD do Iron Maiden - Rock in Rio de 2001. Fui apresentado à música "Fear of the Dark". E foi ai, que acreditei, enfim, em amor à primeira vista... ou melhor... ouvida. A partir desse momento me tornei um fã chato de Iron Maiden. Era 24 horas por dia, 7 dias da semana ouvindo. Conheci a fundo as raízes do rock. Dai pra frente, fui cada vez gostando mais de Iron Maiden e explorando novas bandas (pelo menos para mim), como Led Zeppelin (Banda número 1 do meu pai), Black Sabbath, AC/DC, Metallica, Deep Purple, Dire Straits, Megadeth, Guns N' Roses, Angra, e afins. Julgo ter começado bem, afinal, diante de todas essas bandas, estão os maiores ícones do Rock, Heavy Metal, Hard Rock e do Classic Rock. Ah, meus caros, é bom demais gostar de Rock.

Convido-os a brindar e celebrar o gênero Rock. Que nos fez felizes, nos consolou, e nos proporcionou momentos inesquecíveis junto aos amigos bangers. 

Um abraço ! "

terça-feira, 15 de janeiro de 2013

Van Halen - 1984


O primeiro disco do Van Halen ( 1978 ) causou um impacto muito grande no mundo Rock na época em que foi lançado. Era um disco rápido, pesado e ao mesmo tempo marcante. Muitos dizem que só se tornou o que é graças a Eddie Van Halen, que sem dúvidas deixou muita gente babando com " Eruption ", uma erupção de solos de guitarra, feeling e todas técnicas existentes no instrumento de seis cordas.

Logo em seguida : Van Halen II ( 1979 ), Women and Children First ( 1980 ), Fair Warning ( 1981 ) e Diver Down ( 1982 ) seguiram a fórmula anunciada no primeiro álbum. Cada um com seu charme. Van Halen II marcou muito com o clásssico " Dance The Night Away " e a excelente " Beautiful Girls ", Women and Children Fisrt tinha o hit " And the Cradle Will Rock  " e Fair Warning e Diver Down apresentavam " Unchained " e o cover fantástico de " Pretty Woman " de Roy Orbison.

Todos esses discos tinham muito em comun. Alguns elegiam Van Halen I superior a todos, outros, já diziam que eram todos iguais. Hard Rock pesado e sem frescuras, sempre foi o lema do grande inovador guitarrista Eddie Van Halen, o extravagante e não menos importante, David Lee Roth, o baixista Michael Anthony e um dos melhores bateristas da história do Rock, Alex Van Halen.

Cinco anos depois, eis que surge, 1984 ou MCMLXXXIV, o álbum que marcou o auge do grupo e a década de 80.


Se todos os primeiros trabalhos do Van Halen eram muitos semelhantes, logo de cara, 1984 já quebra esse laço genialmente. O compacto é diferente a todos os outros discos lançado pelo conjunto. Ele se torna muito superior, acima da média e da expectativas que todos colocavam. É inovador e maduro, sem deixar de ser Van Halen, claro. Ficou marcado por ser o último do vocalista David Lee Roth até o seu retorno em 2011, vendeu mais de 10 milhões de cópias só nos Estados Unidos e se tornou um dos maiores discos da história.

É claro que tenho que provar todos esses elogios dado. A primeira é a faixa - título, que em vez de Eddie Van Halen fazer uma parte instrumental na guitarra ( como de costume ), usufruiu de sua nova paixão, os teclados, que certamente inspirou a segunda música e o maior sucesso do grupo. " Jump " apresenta um clipe performático e uma das melhores atuações de Alex Van Halen e David Lee Roth nas suas respectivas técnicas. Em seguida se deparamos com a fantástica " Panama ", que foi uma das pérolas que despertou minha paixão pela guitarra. " Eruption " fica pequena ao lado desse clássico.

" Top Jimmy " é muito boa, mas não se compara ao peso e o entrosamento da banda em " Drop Dead Legs ". " Hot For Teacher " é uma das mais conhecidas justamente porque ganhou um clipe bem humorado na época, mas de todo o álbum, é a única da qual eu não levaria para uma praia deserta. " I´II Wait " marca belos compassos dos teclados de Eddie Van Halen e " Girl Gone Bad " lembra muito as primeiras composições do grupo, um Hard Rock meio punkeado ( entendeu ? ). " House of Pain " encerra a bolacha em uma paulada certeira.



Sem medo de errar, pode nascer mais um fã do Van Halen nesse exato momento.

* 50 discos que você deve ouvir antes de morrer

quinta-feira, 10 de janeiro de 2013

Abra sua mente


Rihanna, Beyoncé e Lady Gaga realmente são ótimas cantoras que sempre estão presentes na mídia mundial. Essa atual safra de cantoras internacionais ( não tão nova assim ) segue lucrando milhões e milhões a cada ano que passa. É claro que não a nada de errado com isso, afinal, elas tem milhares de fãs devotos ( a ) espalhados pelo mundo. Elas são tão boas quanto Janis Joplin e Etta James, mas não fazem o tipo de música que costumo ouvir, e tenho certeza, que a de vocês também.

Janis Joplin e Etta James, poderia dizer da melhor forma que despertam em mim aquele " sangue " roqueiro correndo em minhas veias. A diferença é gritante em relações as outras. Não em relação a técnica. Todas se destacam pelo seus dons correndo em suas cordas vocais, mas a questão é o tipo de música apresentado. Enquanto Lady Gaga procura agitar as baladas em todo mundo, Janis Joplin prefere se deliciar aos solos de guitarra e gritar como se não houvesse amanhã, e Etta James, sentir cada batida de seu maior clássico " Damn Your Eyes ". Entenderam aonde quero chegar ?.

Não estou escrevendo hoje para fazer comparações, e sim, tentar quebrar o preconceito ( se é que existe algum dentro de você ) com o atual cenário de cantoras internacionais. Não estou pedindo para vocês ouvirem Lady Gaga e cia ( que como disse, cantam muito bem ) mas saibam que tem muita música boa, feminina e internacional sendo feita, que por muitas vezes estão longe dos holofotes, ou que estão do seu lado, basta só procurar.

Também publicado em Comissão do Rock







sexta-feira, 4 de janeiro de 2013

Promoção : Eu sou Ozzy


Está no ar nossa mais nova e terceira promoção. " Eu sou Ozzy " vai ser bem simples e sem truques. Se você for um bom menino, será presenteado pelo papai Ozzy. Então, fique atento para saber como participar.

- O prêmio será sua autobiografia " Eu sou Ozzy " e uma camiseta do músico cedido pela loja virtual Alquimia Rock Shop

- O prazo da promoção é de um mês. O resultado saíra no dia 5/2/13.

- Antes do anúncio do vencedor, deixarei um lembrete na home que as participações estarão encerradas.

- Para participar vocês terão que escolher uma música do Madman e colocar nos comentários desse post a melhor frase dela, ou seja, o melhor trecho que represente Ozzy e toda sua carreira.

- A frase da música escolhida levará os prêmios.

Obs : As músicas podem ser repetidas, mas a frase não.

É fácil, não ?

Acha que vale a pena ?

Então não custa nada participar !

Photobucket
Todos artigos são publicados por Guilherme M, exceto onde os autores são citados