sábado, 21 de abril de 2012

5 discos que você deve ouvir de Neil Young


Nascido no Canada, Neil Young ganhou o mundo com o excelente Buffalo Springfield que serviu de base para sua gloriosa e futura carreira solo. Começou sua jornada como Neil Young mesmo em 1969 e ao mesmo tempo junto com o projeto Crosby, Stills & Nash. Em uma carreira vitoriosa de lindos discos, a sua voz marcante a ao meio de solos furiosos, conheceremos cinco discos essenciais do músico.

Everybody Knows This Is Nowhere - 1969 


O segundo disco traçou seu destino. Era sem dúvidas uma banda de Rock, bem apoiada por um grupo chamado Crazy Horse e com um vocalista diferenciado pronunciado como Neil Young. É um álbum dançante e alegre, bem representado pelas grandes " Cinammon Girl " e " Down By The River ". O Folk Rock nunca foi tão grande na história da música.

Haverst - 1972 


O quarto álbum de sua carreira solo o consagrou de vez. Haverst é um de seus trabalhos mais bonitos, ele chega até ser melancólico de tanta dor e sentimento como ele cantas as faixas presentes. " Heart Of Gold " tem uma gaita que arrepia, sem esquecer de seu clássico " Old Man ". Neil Young já tinha sua identidade encontrada e o álbum é bem fiel ao seus antecessores. Destaque também para o Crazy Horse, sua fiel escudeira banda. 

Clássico...
Tonight's the Night - 1975 


Para mim, junto com Haverst é um dos meus álbuns preferidos. Tonight´s the Night é bonito do começo ao fim, sem excessões. A faixa titulo foi dividida em duas partes, e tem uma presença inesquecível assim como " Tired Eyes " e " Mellow My Mind ".  " Borrowed Tune " a mais bonita da bolacha faz um dueto incrível entre o piano e a voz de Young, essa música foi baseada em " Lady Jane " do Rolling Stones.

Zuma - 1975


Alguns meses depois do lançamento de Tonight´s the Night, Neil Young acaba lançando Zuma, um disco decisivo para sua carreira. Zuma acabou aumentando a distorção  e reduzindo um pouco as baladas. É maravilhoso, e a partir desse trabalho o cara começou a se consolidar como guitarrista, " Cortez The Killer "
é o que diga. O clássico vai aumentando e empolgando a cada minuto que passa, é assim que Zuma é classificado : Faz mover.


Freedom - 1989 


Essa já é uma fase muito diferente e avançada de Neil. Pela década de 80 ele foi aumentando a distorção e acabou ganhando notoriedade pelo seu timbre direto e furioso em suas guitarras. Freedom é ótimo, soa como uma critica social, econômica e política do músico. " Rockin´ In The Free World " e mais algumas ótimas pérolas fazem do álbum um marco no final da década.

Menção Honrosa :

Comes a Time -  1978 e After The Gold Rush - 1972 

Duas dentre muitas pérolas do músico na década de 70. Seus tempos de ouro foram também recompensados com After The Gold Rush, contendo inúmeras baladas lindas e Comes a Time, que não se perdeu da fórmula de emocionar seus fãs. 

3 comentários:

  1. Fala Guilherme,

    Já faz uma semana que nós não discutimos os assuntos do Space Rock e do fórum. Se você estiver disponível nessa semana, seria bom que a gente continuassem trabalhando lá, para não ficarmos muito tempo parados. Vou tentar falar com o Germano também, para ver se ele aparece.

    Abraços

    ResponderExcluir
  2. Olá Guilherme.
    Mais um belo post para o Teia.
    Até mais meu amigo.

    ResponderExcluir
  3. Fala Guilherme,

    Preciso falar com você algo importante. Tenho uma boa oportunidade para nossos blogs.

    Vlw!

    ResponderExcluir

Deixe seu comentário e sua opinião, pois é muito importante para nós. E lembrando que todos comentários serão analisados e respondidos.

Obrigado pelo comentário e Volte sempre.

Todos artigos são publicados por Guilherme M, exceto onde os autores são citados