domingo, 30 de setembro de 2012

Foo Fighters - Wasting Light


Após o fim do Nirvana, Dave Grohl que até então era apenas um grande baterista, estava afim de formar uma nova banda. Um ano depois da morte de seu amigo e músico Kurt Cobain, em 1995 o Foo Fighters nascia. De uma simples banda que não sairia da sombras do Nirvana, hoje, é um dos grupos de Rock mais influentes da atualidade.

Mostrando um som pesado, não tão intenso e marcante quanto sua ex - banda, Dave Grohl se rebelou, tomou a frente do grupo com sua guitarra e voz forte. Foram 6 discos oficialmente lançados, vários sucessos  e uma enorme quantidade de fãs. Não é a toa que com seu último disco lançado no ano passado, Wasting Light, vendeu mais de 250.000 mil cópias na primeira semana. É muita coisa para esse atual cenário musical em que vivemos.

A ideia do álbum estava sendo feita em 2008. Após o final da turnê  Echoes, Silence, Patience e Grace, os americanos já tinham algumas faixas prontas. O disco foi inteiramente gravado na garagem de Grohl, onde acreditaria que fugiria das alterações de computador, deixando o som mais limpo e direto, e não tão artificial.

Abrindo a bolacha, " Bridge Burning " é uma paulada gigante, assim como a estranha " Rope ". " Dear Rosemary " é bem melódica, tendo um ar de Thin Lizzy. Depois de " White Limo ", encontramos com a envolvente " Arlandria ", abrindo as portas para a ótima " These Days ". " Back Forth " e " A Matter Of Time " continuam transmitindo Heavy Metal, Punk, Alternativo e tudo aquilo que o Foo Fighters faz de melhor. Para terminar a bela " I Should Have Know " com a participação do baixo de Krist Novoselic, e o clássico e minha preferida " Walk ".

Com capa de banda grande, Wasting Light é sonzera pura, sem erros. Dave Grohl, Taylor Hawkins, Chris Shiflett, Nate Mendel e Pat Smear conseguiram dar mais motivos para ser uma das melhores bandas da atualidade. 

Recomendadíssimo !

sábado, 22 de setembro de 2012

VMB - Melhorou, mas...


Com mais de 20 anos, o VMB sem dúvidas é o principal prêmio musical nacional. Apresentou grandes nomes e apresentações marcantes, como : O famoso " Vou apertar, mas não vou acender agora " que trouxe o encontro de Barão Vermelho ( Frejat ) e Bezerra da Silva, Caetano Veloso e David Byrne ( papador da música brasileira ) e seu " Vamo fazer essa porra direito ! ". E não muito antigo, no ano passado, Tulipa Ruiz, Marina Lima, Barbará Eugenia, Karina Buhr e o ótimo Edgard Scandurra fizeram um baita show, digno de aplausos. O VMB guardou grandes lembranças durantes esses anos.

E assim chegamos em 2012, e logo de cara, já vemos algumas melhorias que deixou tudo mais claro. Categorias desnecessárias foram extintas e o voto popular saiu dos principais prêmios.  Nessa edição faltou a presença de um apresentador, diferente das edições antigas edições. Marcelo Adnet era o nome mais cotado, mas ficou por apresentar um prêmio.

Todo mundo sabe que a MTV andou muito mal, fez muita merda e até pode ter o seu fim, conforme rolou os boatos por aí. Programas bons foram criados, Vjs novos e que realmente entendem algo de música, foram contratados. Ainda sei que a emissora será novamente um grande polo do Rock N ´Roll. E olha que ela está tentando matar a geração que ajudou a criar, a geração colorida, que não é bem assim que o Brasil precisa. Bom ! Vamos falar da premiação antes que eu prolongue muito o texto.


" Gaby Amarantos foi a consagração da noite, promovendo a música pop paraense. Que fase ! "

Em 2010 o Restart tinha levado cinco cachorros para casa, e no ano seguinte, deixando de ser voto popular ( exceto em algumas categorias ) trouxe uma mudança radical no cardápio do evento. Nomes bons, mas ainda não convencidos, levaram os prêmios. Esse ano, o Rap ainda continua no topo. Racionais, Emicida e Criolo, não chegam a serem ruins, mas gosto é gosto. O Rock praticamente está desaparecido. O único nome que salvou a noite, e que recomendo muito é o Vanguart, com o disco " Boa parte de mim vai embora " os caras certamente são uma ótima aposta. A apresentação do grupo não aconteceu, e a MTV ainda insiste no Marcelo D2 ( já deu né ? ) e Bonde do Rolê. É uma falta de respeito escalar Bonde do Rolê para tocar, e deixar de lado, por exemplo : Paralamas do Sucesso, Frejat, Caetano Veloso, Nando Reis , Ultraje a Rigor e entre outros músicos de alta qualidade. Ainda teve Gal Costa, dando uma aliviada com sua bonita voz, Brothers Of Brazil e o interessante Agridoce da dupla Pitty e Martin.

O VMB acertou muito, mas também errou. A premiação está boa, mas ainda falta muito para ser algo  musicalmente relevante para esse país. Não estou pedindo para ter só Rock N ´Roll, mas que mantenha um equilíbrio, ou seja, que tenha boa música, o que realmente importa, e não o humor e as estrelas que fazem a promoção do evento. E lembre - se  que a emissora nem se preocupou em por o Sertanejo. Já pensou ?

Ta ai embaixo, uma das únicas coisas que a MTV trouxe nesses últimos anos que presta.



E que Detonator queime no fogo do inferno, haha.

domingo, 16 de setembro de 2012

Led Zeppelin - Celebration Day


Em 2007 o mundo parou para ver a última apresentação de uma das maiores bandas do Rock. Na verdade não era bem uma banda, era Robert Plant, Jimmy Page e John Paul Jones se reencontrando com seus fãs. Faltou ali, um tal de Bonzo, que sem ele o Led Zeppelin certamente não seria o mesmo, porém, seu filho conseguiu segura - lo bem.

Depois de 5 anos, este show ainda está entalado em minha garganta. Pouco se viu, e os registros não passam de serem amadores. Finalmente será lançado o DVD da apresentação, que também aparecerá no cinema. 

" Celebration Day " chega em Outubro. Sobre a homenagem de Ahmet Etergun, o principal fundador da Altantic Records e descobridor de talentos, o Led Zeppelin matou muita saudade naquela noite. Mesmo quem não estava, sentiu que aquele momento entraria para a história da música mundial. Onde gigantes se despediam.

Confira o Trailer :

segunda-feira, 10 de setembro de 2012

Van Der Graaf Generator - Incrível obra Progressiva


Muitos arriscam dizer que o Rock Progressivo surgiu em 1970, sendo que em 1968 e 1969 os grandes nomes tinham se formado. Yes, Genesis, Jethro Tull, Aprodhite´s Child e Van Der Graaf Generator ditaram o começo da explosão do gênero, que só começou a serem vistos com outros olhos, anos depois. Naquela época o pessoa ainda  estava totalmente na onda de " Get Back ", " My Generation " e " Born To Be Wild ". E tinha uma banda lá de Birmingham que estava separando o arroz do feijão, e estava chamando atenção.

Mas hoje, não quero falar do final da década de 60 e muito menos o que fazia a cabeça da geração. Gostaria de relatar para vocês essa fantástica banda de Rock Progressivo, Van Der Graaf Generator, através de sua melhor pérola, H To He ( Who Am The Only One ) lançado em 1970.

O Van Der Graaf foi formado em 1967 pelo incrível Peter Hammil. Até então, lançaram dois bons discos PROG, The Aerosol Grey Machine The Least We Can Do is Wave to Each Other. Depois de desfrutar só água, estava na hora de beber vinho, e H To He foi feito fantasticamente pelo grupo britânico. 


" Estamos muito longe de entender uma capa dessas ! "

O álbum começa com a maravilhosa " Killer ", sua intensidade me deixa de boca aberta, da loucura do marcante piano, misturado aos delírios do saxofone de David Jackson. Logo em seguida, a linda " House With No Door " onde Peter Hammil criou um clássico. O piano suave junto com sua voz se completam nessa bela canção. Para encerrar o primeiro lado, " The Emperor In His War Room ", incluindo " The Emperor " e " The Room "  traz nada mais nada menos do que Robert Fripp na guitarra. 

No segundo lado, " Lost " que também inclui " The Dance In Sand e Sea " e " The Dance In The Frost " é super interessante, destaque para os teclados de Hugh Baton. Para finalizar esse belo disco, " Pionners Over  C. " apresenta uma guerra de instrumentos. Guitarra, baixo, teclado, saxofone, tudo junto e misturado sobre a voz de Peter Hammil.

É isso, sem prolongar muito o texto, fica uma dica simples e rápida. H To He ( Who Am The Only One ) é um clássico do Rock Progressivo. Soube levar o Van Der Graaf Generator a ser uma das melhores bandas do movimento e concretar sua identidade. Um gigante do Rock e da música.

Abraços



-----------------------------------------------

No próximo post a continuação da série Pink Floyd

quinta-feira, 6 de setembro de 2012

Celso Blues Boy - Sempre brilhará

Se não há morte, não existe vida. Ainda nesse ano mais um grande músico acabou nos deixando, só que dessa vez,  um brasileiro. Celso Ricardo Furtado de Carvalho, conhecido por essas bandas como Celso Blues Boy, o Blues - Man brasileiro, começou a fazer sucesso na década de 80, com o sucesso " Aumenta que isso é Rock N´ Roll ". Lançou 11 discos na carreira, e sempre foi reconhecido por sua técnica.

Fico feliz de ver que gigantes da guitarra passearam pelo Brasil.

" As coisas são assim 
Prá que se lamentar
Se dentro de nós 
Sempre existirá "



-  5/1/56
+ 6/8/2012
Todos artigos são publicados por Guilherme M, exceto onde os autores são citados