segunda-feira, 17 de janeiro de 2011

Frampton Comes Alive !


Olhando para traz, Peter Frampton tem uma carreira vitoriosa cheio de discos e clássicos. Começando ainda na década de 70 ele chegou ao sucesso comercial depois de um disco muito bom, um compacto ao vivo de 76 chamado Frampton Comes Alive. O disco que não demorou para chegar ao topo e conquistou 6 vezes a platina e foi o álbum ao vivo mais vendido da história. Frampton sempre foi um guitarrista que gosto muito, um guitarrista conhecido como o cara que foi pioneiro da guitarra falada, e assim posso defini - lo em cinco palavras, um gigante da seis cordas. 

Antes de entrar em carreira solo fez trabalhos com o injustiçado e ótimo Humble Pie e a banda The Herd, e é inevitável falar que Frampton Comes Alive caiu como uma luva, foi gravado nos Estados Unidos e é um disco completo. Riffs ótimos, solos, baladas, toques de pianos e tudo mais, ou seja, um verdadeiro show que o músico proporcionou para o mundo.

O primeiro CD tem músicas empolgantes, dentre delas o clássico Show Me the Way que mostra a inovação de sua guitarra que acaba cantando junto com ele. Já o segundo é bem mais balada, a mais famosa Baby, I Love Your Way das as caras e guarda muitas lembranças das mãezonas atualmente. O terceiro disco segue a mesma risca dos primeiros, e pode se dizer que é uma mistura dos dois, começa com uma intro de violão de Penny for Your Thoughts muito boa e depois com a pesada I'll Give You) Money. Shine On, o clássico que se destaca do Humble Pie aparece, e depois um cover de Jumping Jack Flash do Stones que para mim não caiu bem. Para finalizar o álbum termina com Lines on My Face e o clássico Do You Feel Like We Do, e sem esquecer que o vocalista se saiu bem nos vocais, mas de fato não é aquele que impressiona.

O som de Frampton é bem diversificado, desde Blues, Rockabilly a um som mais pesado. Quem gosta de alguma coisa mais Light e calma em relação ao Hard Rock e ao Rock o cara é uma ótima pedida. Posso dizer que ele se assemelha - se mais ao Eric Clapton em relação a suas músicas, acho que mais agitado do que Clapton, bom, é só vocês tirarem suas dúvidas.
E voltando ao assunto do álbum, deu ao guitarrista um sucesso inesperado, abriu as portas do cara para o mundo do Rock, e como gostei de Frampton Comes Alive eu comecei a ouvir seus discos anteriores que também são bons, e não é só esses, alguns de seus futuros álbuns também depois de Comes Alive arrancam aplausos, músicas como a balada I'm In You e a contagiante  Breaking All The Rules fazem a cabeça do povo nos anos 70 e 80. Inclusive fez Frampton Comes Alive II que virou uma espécie de coletânea de seus shows, o disco tem seus maiores clássicos, além de algumas feitas especialmente.
Enfim, Frampton Comes Alive é um discasso, e não podia de lembrar que vários anos depois a gravadora e o músico lançaram uma versão deluxe bem legal, e essa versão inclui músicas deixadas de fora, mas separei o setlist da versão original lançado em 76. Vejam.

CD 1

"Something's Happening" – 5:41

"Doobie Wah" – 5:28

"Show Me the Way" – 4:42

"It's a Plain Shame" – 4:21

CD 2

"All I Want to Be (Is by Your Side)" – 3:27

"Wind of Change" – 2:47

"Baby, I Love Your Way" – 4:43

"I Wanna Go to the Sun" – 7:02

CD 3

"Penny for Your Thoughts" – 1:23

"(I'll Give You) Money" – 5:39

"Shine On" – 3:35

"Jumping Jack Flash" ( Rolling Stones ) – 7:45

CD 4

"Lines on My Face" – 7:06

"Do You Feel Like We Do?" – 14:15

É isso ai pessoal, deixo uma prévia de um clássico de Comes Alive e um que não é do disco, afinal, não só estou divulgando o disco ao vivo, em geral, ele também, então por isso vejam os vídeos. E pra quem gosta, pode deixar que eu faço mais posts dele.

Comentam e deixam suas opiniões.Valeu ! 



Nenhum comentário:

Postar um comentário

Deixe seu comentário e sua opinião, pois é muito importante para nós. E lembrando que todos comentários serão analisados e respondidos.

Obrigado pelo comentário e Volte sempre.

Todos artigos são publicados por Guilherme M, exceto onde os autores são citados