terça-feira, 30 de agosto de 2011

Entrando no mundo de Sufer Rosa



Em 1988 o Pixies estava no seu segundo álbum, que seria mais uma grande pérola do Rock. Sufer Rosa chega e de cara mostra que os Pixies é uma grande banda, e bota grande nisso.

Quando lançado não foi um grande sucesso, mas é amado por muitos e foi super bem critícado, ganhando listas e listas. Kurt Cobain, Billy Corgan e outros artistas afirmavam que o disco sempre foi uma grande fonte de inspiração. Depois do bom e primeiro álbum da banda " Come On Pilgrim " decidiram fazer um trabalho de longa escala, e para isso, contrataram  Steve Albini, que fez uma baita de uma produção, bem típico de bandas ao estilo. Black Francis, Kim Deal, Joey Santiago e David Lovering arrebentaram e trouxeram uma das muitas e ótimas obras do Rock Alternativo.

Começando com a quebradeira de " Bone Machine " que trazia um entrosamento gigante da cozinha da musa Kim Deal e David Lovering, e sem esqueçer  da voz de Black Francis. Ainda na quebradeira, a banda vem com "Break My Body  ", " Something Against You " e " Broken Face ".

Depois dessas  Kim Deal vem a brilhar em sua composição que conquista, " Gigantic " é uma das minhas músicas preferidas do conjunto. A musa em uma voz brilhante detona junto com seu baixo nessa grande música. E não demora para mais um clássico aparecer, depois de " River Euphrates " ( eles sempre costumavam a por em seus álbuns canções com nomes latinos ) a contagiante " Where Is My Mind " chega com tudo, tendo a grande presença e voz de Black Francis. " Cactus " vem logo em seguida e chama atenção pelo seu ritmo pulsante.


" A gata e musa Kim Deal "

" Thony´s Theme " volta a pancadaria relembrando bem um Judas Priest devido a semelhança da voz entre Francis e Rob Halford. Já " Oh My Golly " é mais rápida do que Thoys´s Theme e " Vamos " vem ainda para lembrar a banda com seu jeito latino.  " I'm Amazed " e " Brick Is Head " terminam o compacto, esta última com uma guitarra bem detalhada e ótima de Joey Santiago.

Recomendo todos a ouvirem esse álbum. Quem gosta de uma quebradeira vai adorar, porque ´foi bem produzido e tocado pelo auge do grupo e do bom Rock Alternativo que todos nós conhecemos. O disco seguinte " Doolittle " é tão fiel a esse que vão gostar também.

Sua capa causou bastante polêmica. Uma mulher com os seios mostrados, mas o Pixies sempre foi aquela banda de chamar atenção, indiferente de muitas. A imagem de abertura do post esta censurado por alguns motivos, devido a prêmios e parceiros, mas no Google você terá melhores.

Algumas curiosidades do disco podem ser vistas, na época a distribuição dos Estados Unidos foi feito por uma empresa que errou. Sufer Rosa falhou e o único single a ser posto foi " Gigantic, e "I'm Amazed " começa com uma conversa entre Black Francis e Kim Deal que foi pega durante as gravações.


" Cadê minha mente ? "

Uma boa já citada é que Kurt Cobain tirou inspiração para a jornada do clássico de Nevermind, e não é a toa que contratou o grande produtor Steve Albini para In Utero. Billy Corgan já foi mais adiante e além de pegar o som da bateria para estudar e treinar no estúdio elementos técnicos. Como ele diz : " É Rock sem falhas, me faz mover ".

Sempre gostei dos Pixies, é uma das grandes bandas do bom e famoso Rock Alternativo. Sempre que puder venho aqui e falo mais dessa banda, inclusive um grande especial. O show do grupo no grande festival SWU realizado no ano passao foi brilhante. O peso e a qualidade deles em palco é muito grande, estou sempre disposto a ouvir a banda ao vivo do que sua forma em estúdio.

Até o próximo post e esperem por muitas novidades.


2 comentários:

  1. Conheço Pixies só de nome, e como eu estou numa onda de alternativo, vou baixar pra conhecer.

    Texto muito bom!

    ResponderExcluir
  2. Beleza Gabriel. Pode baixar que é muito bom !!!

    ResponderExcluir

Deixe seu comentário e sua opinião, pois é muito importante para nós. E lembrando que todos comentários serão analisados e respondidos.

Obrigado pelo comentário e Volte sempre.

Todos artigos são publicados por Guilherme M, exceto onde os autores são citados