domingo, 6 de fevereiro de 2011

Um grande atrás dos palcos

Fala Guys, desculpe pela demora de um post, mas agora vai, falo hoje do visionário e gênio Brian Eno.

Brian Eno, grande Brian, produtor, músico, guitarrista e tecladista do Universo do Rock. Fez grandes discos e parcerias ao longo de sua carreira, mas hoje não vim falar de sua participações e seus discos. Que tal conhecer um pouco de suas produções ao longo de sua carreira ?

Brian começou a produzir dois discos de uma dupla alemã ( muito boa ) de música progressiva, eletrônica  e experimental. Cluster & Eno" e "After the Heat, parecia que era mesmo a praia de Eno, um estilo mais experimental em relação ao Rock, que antes dominava o uso de sintetizadores. Depois fez uma bela parceria com o guitarrista Robert Freeman, no qual produziu seis discos, produções que eu recomendo, sem sombra de dúvidas.

Ainda nos anos 70 produziu um grande disco da banda DEVO, Are We Not Men? We Are Devo. Utilizava o Art Rock, com Punk e o uso de teclados, tudo por indicação de Brian. Um grande começo para o grupo DEVO.

No final dos anos 70 ele chegaria a produzir três compactos mais belos da história do Rock, a Trilogia de Berlim que ganhara um especial mais para frente. A Trilogia de Berlim foi ideia do mestre David Bowie e a produção de Brian Eno. Foi uma produção em tanto com uma bela arte de Bowie, ou seja, uma trilogia do cassete. Dentre os discos Low, Heroes e Lodger, Heroes me deixa eufórico, mas isso é papo para depois, assim como a parceria entre Bowie e Eno.


NO NEW YORK ...

Um coletanea de prato cheio, o disco contém músicas de quatros artistas, mas isso não impede de ser muito bom, virou cena no Underground do rock dos anos 70, formando o movimento No Wave. Eno era ainda importante por fazer arte, aliás, posso defini – lo em uma palavra, ARTE.

Com o U2 fez inúmeros discos, as belas produções do U2 se deve a ele, sabe muito bem o que fazer na hora certa e no tempo certo, The Joshua Tree é o que diga, um dos belos discos do U2 no auge de sua carreira.

Com o Art Rock na veia, Brian produziu um excelente disco com David Byne ex – Talking Heads, um disco em plena forma do Art Rock , New Waw e Experimental, para mim um discão. Falando no Talking Heads ele fez lindos trabalhos, a banda era a carta do baralho de Brian, a carta que ele estava precisando, era bem sua praia, essa junção foi ótima, assim como as outras.


Brian também produziu discos de Paul Simon, Coldplay, Grace Jones e entre outros, para quem se interessa.

É pessoal, esse foi o Brian Eno em suas produções, grandes produções que renderam muito sucesso e aclamação pela crítica, quando voltar a fazer um post dele, vai ser para falar de suas parcerias e discos com elas. Enquanto isso vocês vão curtindo suas produções, e como disse, só podemos defini – lo em uma palavra, ARTE. Até Rockeiros.

Uma parte de mim tornou-se imortal, fora do meu controle
Brian Eno

2 comentários:

  1. Pois é, realmente é difícil destacar-se como produtor, por que sempre são os músicos que levam os créditos por todo o disco, sendo que muitas vezes os produtores ajeitam muitos detalhes que estragariam obras primas...

    Grande Post, parabéns!


    Abraço!

    ResponderExcluir
  2. Valeu Jefferson, poucos produtores conseguem uma fama e pretígio na sua carreira, mas Brian Eno é diferente, o cara é bom mesmo !!!

    ResponderExcluir

Deixe seu comentário e sua opinião, pois é muito importante para nós. E lembrando que todos comentários serão analisados e respondidos.

Obrigado pelo comentário e Volte sempre.

Todos artigos são publicados por Guilherme M, exceto onde os autores são citados