quinta-feira, 27 de outubro de 2011

O melhor pé de frango do mundo



É difícil você achar uma super banda atualmente. Não estou dizendo qualquer uma, mas sim, uma cheia de músicos talentosíssimos como o Chickenfoot que há dois anos vem ganhando público e mais público.

A ideia surgiu quando Sammy Hagar, ex - Van Halen e Joe Satriani queriam montar uma nova banda, e logo em seguida se juntou o excelente Chad Smith ( Red Hot ) e Michael Anthony, também ex - Van Halen.
Eu logo de cara queria ver o que ia dar essa banda, estava ansioso pois estava gostando das ideias dos caras, que é Rock N Roll sem frescuras, do jeito que gostam e querem.

Chickenfoot - 2009


O primeiro disco chegou em 2009, e queria ver como Satriani sairia em uma banda, porque ele sempre foi um virtuoso seguindo as tradições de sua carreira solo. Mas como um bom músico ele se adaptou tranquilamente e tirou de letra. Podemos perceber em seus solos no disco e também no ótimo riff de " Oh Yeah ", empolgante e contagiante como um verdadeiro riff deve ser.

O álbum é bem a praia do Hard Rock, mas segue trechos de Blues - Rock e Alternativo. Sammy Hagar ainda possui uma grande voz, Michael Anthony fez um grande trabalho e Chad Smith sempre um baterista de qualidade, que você percebe muito que ele traz muito a batida do Red Hot, assim como Hagar do Van Halen.

As minhas faixas preferidas são sem dúvidas " Oh Yeah " e a balada" Learning to Fall ". Mas o grupo tem grandes momentos com " Sexy Little Thing ", " My Kinda Girl " e  " Future in the Past ". O álbum esta longe de ser uma obra - prima, mas reluz muito bem uma banda competente que é o Chickenfoot. Recomendo sem sombra de dúvidas.

Ótimo

Chickenfoot III - 2011

Agora em 2011 o Chickenfoot fez muito bem e preferiu seguir carreira, diferente de outros super grupos. O segundo álbum traz a mesma medida do primeiro, pórem, senti a banda mais simples, mas ao mesmo tempo mais entrosada. No Chickenfoot I, todos estavam a vontade para uma estréia, como gostam de ficar em seus shows. " The Last Temptation ", " Alright, Alright " e  " Different Devil " são típicas do Hard Rock anos 80, e ficaram bem elaboradas, assim como as seguintes.

" Come Closer " já traz algo mais calmo e complexo da banda, trazendo a bela guitarra de Satriani, que  cada vez mais que ouço, mais me surpreendo. Já " Bigfoot" é a aposta do single do disco, mas para mim não passa de uma semelhança com " Oh Yeah ", do álbum passado.  " Dubai Blues " e " Something's Gone Wrong " terminam a bolacha.

Eu sinceramente achei um compacto bem fiel ao primeiro álbum. O Chickenfoot merece sua atenção, que pode te divertir muito mais que você pensa. Eu aposto bastante neles, mesmo seus músicos não estando no auge, e por isso pesa bastante.

Apesar do nome ser a piada, o Rock N Roll é levado a sério.



Fique atento ao próximo post que vai ser uma grande novidade !

Até

3 comentários:

  1. Ótimo post! Aliás, depois de ler tive a ideia de a gente fazer um na Comissão falando sobre os supergrupos que o rock teve.

    Falando na Comissão, temos que conversar algumas coisas sobre ela e tbm sobre a Área.

    Abraços

    ResponderExcluir
  2. Chickenfoot é muito massa, mostra o baterista eclético que o Chad Smith, pois vemos ele fazendo um som alternativo, porém sempre preciso diga-se de passagem, e o julgamos como invariável, pelo contrário é o melhor baterista das bandas alternativas que fazem diversas fusões de gêneros.

    Os outros são do mesmo quilate, super músicos que dão origem a super grupos por onde passam.

    Dá uma sacada em Black Country Communion uma super banda que conta com John Paul Jones.

    ResponderExcluir
  3. Taí uma banda que sempre ouvi falar muito bem e não baixei. Talvez fosse porque tem integrantes do VH (que eu comecei a curtir há pouco).

    De hoje não escapa. Grande post, Guilherme!

    ResponderExcluir

Deixe seu comentário e sua opinião, pois é muito importante para nós. E lembrando que todos comentários serão analisados e respondidos.

Obrigado pelo comentário e Volte sempre.

Todos artigos são publicados por Guilherme M, exceto onde os autores são citados