terça-feira, 15 de fevereiro de 2011

O que o Rock perdeu de bom ?

É pessoal, a um tempinho o grande guitarrista Gary Moore nos deixou, um ótimo músico que tocou no Thin Lizzy e claro, deixou sua marca no mundo do Blues- Rock. E do outro lado o White Stripes anuncia seu fim, banda no qual eu acho bem interessante com um som bem agradável. Vamos ver esse post !.

Gary Moore nasceu na Irlanda e começou a tocar aos 16 anos de idade, tendo como ídolos Hendrix, Clapton e Peter Green. Fanático por Blues teve uma carreira bem relevante e diversificada, tendo discos mais voltado ao Jazz, Blues e Hard Rock, ou de preferência um Rock N Roll.

Suas parcerias foram ótimas, com o Thin Lizzy fez dois discos, Nightlife e Rock Legend, mais conhecido como Black Rose, também fez uma participação com Ozzy em uma música. E como a morte é inesperada e uma hora ela chega, não foi diferente com Gary Moore que morreu na Espanha aos 58 anos.
Já a outra morte, de um lado simbolicamente é bem diferente, o White Stipes banda formada pelos irmãos Whites encerrou a carreira recentemente. Quem nunca ouviu aquela famosa introdução na guitarra de Seven Nation Army, o riff produzido por Jack White ? E não era só o cara, a irmã era marca registrada da banda e tinha plena importância, Meg White era parceira de Jack, fazendo assim uma dupla inusitada no cenário do Rock, mas uma dupla bem legal, sem esquecer disso. Com Rock Alternativo, e o Punk o White Stripes se encerra deixando um legado de mais de 30 milhões de discos no mundo inteiro, pouco né ?.

White Stripes e Gary Moore, perdas que ficaram marcadas. Valeu !



"Os covardes morrem várias vezes antes da sua morte, mas o homem corajoso experimenta a morte apenas uma vez".

William Shakespeare

Não esqueça de deixar sua opinião, pois ela é muito importante.

COMENTE !

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Deixe seu comentário e sua opinião, pois é muito importante para nós. E lembrando que todos comentários serão analisados e respondidos.

Obrigado pelo comentário e Volte sempre.

Todos artigos são publicados por Guilherme M, exceto onde os autores são citados