domingo, 19 de fevereiro de 2012

Quando uma banda ganha o mundo


O ano era 1982 e o Rock Progressivo já havia ganho o mundo. O Asia tinha um pouco de tudo, Steve Howe  trabalhou com Yes, assim como o tecladista e vocalista Geoff Downes, o baterista Carl Palmer se aventurou pelo ELP ( Emerson, Laker e Palmer ) e o baixista John Wetton marcou sua presença com bastante grupos importantes, dentre eles o King Crimson e o Wishbone Ash. Uma coisa era verdade, todos carregavam em si uma enorme quantidade de experiência.

Hoje escreverei o primeiro álbum da banda, homônimo, que ganhou o mundo na década de 80, mostrando e inovando um novo tipo de som. Não trazia um PROG no ritmo do Yes e o Genesis de Peter Gabriel, mas sim  no estilo do Phil Collins, fazendo um progressivo clássico, ao mesmo tempo mais comercial.  

O clássico começa com a minha preferida " Heart Of Moment " e é digno de uma abertura. Sobre o riff de Steve Howe com a voz envolvente de Geoff Downes, eles chegaram, para mostrar o belo trabalho que fizeram. Em seguida vem a excelente " Only Time Will Tell " que ficou lado a lado ao clássico " Heat Of Moment " no topo das paradas. Após o começo arrasador a banda continua suas regalisas nas últimas faixas do lado 1 com " Sole Survivor " e " One Step Closer ".

No segundo lado começa com a elegante e pesada " Wildest Dreams " que seu riff inicial chega a lembrar um pouco " Boys Don´t Cry " do Cure. A seguinte já é uma balada, " Without You " é  muito boa, mas não empolga tanto quanto as outras. " Cutting Fine " encerra junto com a maravilhosa " Here Comes The Felling ", esta última não tem como esqueçer o teclado marcante que paira sobre ela. 

O Asia nunca mudou sua fórmula. Apresentou outros grandes discos tempos depois, como Alpha, mas para mim nenhum chega a marcar como foi o seu primeiro. No mesmo ano em que Alpha foi lançado John Wetton largou a banda, voltou em 85, mas Steve Howe pulou do barco. O Asia sempre teve uma formação não provisória, também creditada por era.

As origens do grupo voltaram e hoje se apresentam com os membros de sua formação clássica. Na última vez que vieram para o Brasil foi no ano passado, sendo que passaram também em 2007. Se voltarem novamente vai ser um presente ver um show dessa raridade, relembrando seu som único e sensacional.

2 comentários:

  1. Olá Guilherme
    Quanto ao post,fique a vontade para fazer como quiser,qualquer forma de ajuda é sempre bem vinda.
    Aproveitei e já divulguei essa postagem no Teia.
    Até mais e obrigado.

    ResponderExcluir
  2. Opa, boa noite. Eu andava sumida , mas acabo de fazer uma publicação super interessante. abraços

    http://ray-psicodellica.blogspot.com/2012/02/capas-censuradas.html

    ResponderExcluir

Deixe seu comentário e sua opinião, pois é muito importante para nós. E lembrando que todos comentários serão analisados e respondidos.

Obrigado pelo comentário e Volte sempre.

Todos artigos são publicados por Guilherme M, exceto onde os autores são citados